Acesso à informação
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Noticias Banco Nacional de Mandados de Prisão do CNJ será integrado ao INFOSEG

Banco Nacional de Mandados de Prisão do CNJ será integrado ao INFOSEG

A Rede INFOSEG iniciou os trabalhos para viabilizar a integração do Banco Nacional de Mandados de Prisão em parceria com o Conselho Nacional de Justiça. A regulamentação do BNMP atende à Lei nº 12.403/2011, que alterou o Código do Processo Penal. Segundo a nova legislação, a responsabilidade da disponibilização e manutenção do banco cabe ao CNJ, de acordo com o artigo 2º da Resolução 137.


 

 

 

 
 
 
 
 

Resolução nº 137, de 13 de julho de 2011

 
 
Regulamenta o banco de dados de mandados de prisão, nos termos do art. 289-A do CPP, acrescentado pela Lei n. 12.403, de 4 de maio de 2011, e dá outras providências.
 
 
 
O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;
 
 
 
CONSIDERANDO que a Lei n. 12.403, de 4 de maio de 2011, determina a criação de banco de dados para registro dos mandados de prisão pelo Conselho Nacional de Justiça, na qualidade de órgão estratégico e central do sistema judicial, regulamentá-lo e mantê-lo (art. 289-A, caput e § 6º, do Código de Processo Penal);
 
CONSIDERANDO que uma das finalidades do banco de dados para registro dos mandados de prisão é facilitar-lhes o conhecimento por qualquer pessoa e o cumprimento de diligências por parte das autoridades policiais, assim como auxiliar os juízes no exercício de sua jurisdição;
 
RESOLVE:
 
Art. 1º Fica instituído, no âmbito do Conselho Nacional de Justiça, nos termos do art. 289-A do Código de Processo Penal, o Banco Nacional de Mandados de Prisão – BNMP, para fins de registro dos mandados de prisão expedidos pelas autoridades judiciárias.
 
Art. 2º O BNMP será disponibilizado na rede mundial de computadores, assegurado o direito de acesso às informações a toda e qualquer pessoa, independentemente de prévio cadastramento ou demonstração de interesse, sendo de responsabilidade do Conselho Nacional de Justiça a sua manutenção e disponibilidade.
 
§ 1º - A informação do mandado de prisão, para fins de registro no Conselho Nacional de Justiça, será prestada, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas a partir da expedição, diretamente pelos sistemas dos tribunais ao BNMP.
 
§ 2º - Na hipótese de o juiz determinar que o mandado de prisão seja expedido em caráter restrito, o prazo para inclusão no BNMP se iniciará após seu cumprimento ou quando afastado esse caráter por decisão judicial.
 
§ 3º - A responsabilidade pela atualização das informações do BNMP, assim como pelo conteúdo disponibilizado, é, exclusivamente, dos tribunais e das autoridades judiciárias responsáveis pela expedição dos mandados de prisão.
 
§ 4º - Cabe à autoridade policial que for dar cumprimento a mandado de prisão constante do BNMP averiguar sua autenticidade e assegurar a identidade da pessoa a ser presa.
 
§ 5º - Quaisquer esclarecimentos sobre as informações constantes do BNMP deverão ser solicitados, exclusiva e diretamente, ao órgão judiciário responsável pela expedição e registro do mandado de prisão.
 
Art. 3º Cada mandado de prisão deverá referir-se a uma única pessoa e conterá, no mínimo, as seguintes informações:
 
I – seu número, composto pelo número do processo judicial, na forma daResolução nº 65/2008 do CNJ, acrescido de um número sequencial de quatro dígitos;
 
II – o número do processo ou procedimento, na forma da Resolução n.º 65/2008 do CNJ;
 
III - tipo e número do procedimento ou documento que originou o processo judicial em que foi expedido o mandado, conforme tabela a ser editada em portaria da Presidência do CNJ;
 
IV – nome do magistrado expedidor;
 
V – denominação do órgão judiciário em que foi expedido o mandado;
 
VI – qualificação da pessoa a que se refere o mandado de prisão;
 
VII – códigos nacionais dos assuntos criminais a que se refere o mandado;
 
VIII – espécie da prisão decretada;
 
IX – dispositivo da decisão que decretou a prisão;
 
X – prazo da prisão, quando se tratar de prisão temporária;
 
XI – pena imposta e regime de cumprimento da pena, quando se tratar de prisão decorrente de condenação criminal, recorrível ou definitiva;
 
XII – data limite presumida para cumprimento do mandado de prisão de acordo com a prescrição em abstrato ou em concreto;
 
XIII – o valor do montante da fiança arbitrada, quando for o caso; e
 
XIV – data e local da expedição.
 
§ 1º - São dados de qualificação da pessoa objeto da ordem de prisão, a serem incluídos, se disponíveis, ainda quando haja mais de um deles para a mesma pessoa:
 
I – nome;
 
II – alcunha;
 
III – filiação;
 
IV – data de nascimento;
 
V – naturalidade;
 
VI – sexo;
 
VII – cor;
 
VIII – profissão;
 
IX – endereço no qual pode ser encontrada;
 
X – características físicas relevantes, conforme parâmetros já existentes no INFOSEG;
 
XI – códigos identificadores de documentos oficiais;
 
XII – fotografia.
 
§ 2º - São espécies de prisão sujeitas a registro no BNMP:
 
I – temporária;
 
II – preventiva;
 
III – preventiva determinada ou mantida em decisão condenatória recorrível;
 
IV – definitiva;
 
V – para fins de deportação;
 
VI – para fins de extradição; e
 
VII – para fins de expulsão.
 
Art. 4º A certidão referida no § 3º do art. 289-A, do CPP, a ser expedida pelo Conselho Nacional de Justiça, deverá conter todos os elementos disponíveis enumerados no art. 3.º, caput, da presente Resolução.
 
Art. 5º O tribunal de origem atualizará a informação de mandados de prisão registrados no BNMP no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, a contar da revogação da prisão ou do conhecimento do cumprimento da ordem.
 
§ 1º - Cumprido o mandado de prisão ou no caso de prisão em flagrante delito de pessoa a respeito da qual esteja pendente de cumprimento mandado de prisão expedido por outra autoridade judiciária, o juízo que tomou conhecimento da prisão deverá comunicá-la às demais autoridades judiciárias, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas.
 
§ 2º - No caso de conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva, nos termos do art. 310, inciso II, do CPP (redação da Lei 12.403/11), a informação prestada pelo tribunal incluirá a circunstância de o mandado já estar cumprido.
 
Art. 6º A prestação das informações relativas aos mandados de prisão será obrigatória aos tribunais a partir de seis meses contados da publicação da presente Resolução.
 
Art. 7º Os mandados expedidos anteriormente à entrada em vigor da presente Resolução e ainda não cumpridos, se vigentes, deverão ser registrados no BNMP pela autoridade judiciária responsável, observados os requisitos do art. 2.º, no prazo máximo de 6 (seis) meses a partir da data de que trata o artigo anterior.
 
§ 1º - Os Tribunais, com o auxílio das Corregedorias Gerais, deverão, no prazo de 30 (trinta) dias, criar grupo de trabalho para cumprimento do disposto no caput deste artigo, com as seguintes atribuições:
 
I – coordenar e fiscalizar o cumprimento da presente Resolução, oferecendo apoio técnico operacional aos magistrados encarregados da expedição do mandado de prisão.
 
II – analisar e conferir a consistência das informações no banco de dados local e das informações encaminhadas ao BNMP.
 
III – apoiar os magistrados, em razão do disposto nos artigos 282, § 6.º, e 313 do Código do Processo Penal, na revisão da necessidade, ou não, da manutenção da prisão preventiva decretada.
 
Art. 8º É garantida a consulta ao BNMP na rede mundial de computadores, em dias úteis, das 8h às 22h, até que o Conselho Nacional de Justiça seja dotado de estrutura apta ao seu funcionamento ininterrupto, inclusive em sábados, domingos e feriados.
 
Art. 9º O Processo Judicial Eletrônico – PJe deverá conter função de edição de mandado de prisão com alimentação automática do BNMP, nos termos desta Resolução.
 
Art. 10. Os tribunais, no prazo de 6 (seis) meses, adaptarão os seus sistemas informatizados de tramitação processual a fim de permitir o envio automatizado das informações ao BNMP.
 
Parágrafo único. Os tribunais deverão apresentar, no prazo de 30 (dias), cronograma para cumprimento do caput deste artigo, atualizando-o mensalmente.
 
Art. 11. Cabe à Corregedoria Nacional de Justiça fiscalizar o cumprimento desta Resolução.
 
Art. 12. Fica incluído no art. 2º da Resolução nº 121, de 2010, o inciso V, com a seguinte redação:
 
“V – os mandados de prisão registrados no BNMP.”
 
Art. 13. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
 
 
 
Ministro CEZAR PELUSO
Ações do documento
Atendimento
Atendimento
Mandados de Prisão

logomarca_cnj.png

Delegacias de Capturas

Mapa

Formulário de acesso

Formulario de acesso

Módulo de Segurança

Modulo

 
Topo

© 2004 - REDE INFOSEG - Esplanada dos Ministérios, Ministério da Justiça Edifício Anexo II, Térreo, INFOSEG, CEP – 70.064-900, Brasília – DF, Fone (61) 3962-1999.